Início
Quem somos?
Catálogo
Autores
Charles Bukowski
Knut Hamsun
John Fante
Dan Fante
Plínio Marcos
Sigval Schaitel
Egídio

Contatos
Links
Facebook
Perfil


Essa loucura roubada que não desejo a ninguém a não ser a mim mesmo amém

A editora 7 letras está lançando nesta quinta-feira, dia 04 de agosto, o livro Essa loucura roubada que não desejo a ninguém a não ser a mim mesmo amém, antologia de poemas de Charles Bukowski com tradução de Fernando Koproski.

O livro, de 256 páginas, é uma edição bilíngue que reúne poemas selecionados de 11 livros do autor, cobrindo a obra poética de Bukowski do perído de 1969 a 1999.



Sobre o tradutor

Fernando Koproski nasceu em Curitiba, em 1973. Bacharelou-se em Letras Inglês na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Publicou os livros de poemas: Manual de ver nuvens (1999), O livro de sonhos (1999), Tudo que não sei sobre o amor (2003), incluindo CD que apresenta leitura de poemas na voz do autor e temas musicais compostos por Luciano Romanelli, Como tornar-se azul em Curitiba (Kafka ­ edições baratas, 2004) e Pétalas, pálpebras e pressas, livro sobre poesia premiado com publicação pelo conselho de literatura da Secretaria de Cultura (Secretaria de Estado da Cultura/ Imprensa Oficial do Estado, 2004). Participou de Passagens — antologia de poetas contemporâneos do Paraná, organizada por Ademir Demarchi em 2002. Ao lado de Paulo Sandrini é editor da Kafka ­ edições baratas, projeto editorial de produção de livros em formato pocket, o qual lançou O sorriso de Leonardo de Bárbara Lia, Tornozelos deitados de Luiz Felipe Leprevost e Toda mulher merece ser despida de Alexandre França, entre outros.

Abaixo vai um trecho do poema Splash do livro Essa loucura roubada que não desejo a ninguém a não ser a mim mesmo amém

(..)
isto não é um poema.
poemas são um tédio,
eles te fazem
dormir.

estas palavras te arrastam
para uma nova
loucura.


você foi abençoado,
você foi atirado
num
lugar que cega
de tanta luz.

o elefante sonha
com você
agora.
a curva do espaço
se curva e
ri.

você já pode morrer agora.
você já pode morrer do jeito
que as pessoas deveriam
mo-rrer:
esplêndidas,
vitoriosas,
ouvindo a música,
sendo a música,
rugindo,
rugindo,
rugindo.



Bukowski: livros Bukowski: início